domingo, 9 de outubro de 2016

a cena invisível


a mão audaz
sentiu o jeans encolhido tremer
no grande momento - inédito para a pele  - 
contraída no susto - até o cérebro ardeu nessa hora!

a mão audaz - aflita e vigorosa -

apertou ruidosamente o jeans 
na sutileza da paz que tilinta no copo de martini da mão esquerda

o guardanapo deslizou 

sobre as coxas,
mais mácio impossível,

a mão direita

descontou no músculo vigoroso
pencas de sangue - o desafio era a lucidez

mas nem os lábios nem os olhos

tinham tanto jazz
na imoderação da ponta daqueles dedos


quisera eu ser o fio vermelho a correr até o coração assustado dessa pele que não é minha!

Resultado de imagem para à mesa casal obra de Nando Ribeiro


Imagem: Casal à Mesa - Fernando Ribeiro
Disponível em http://www.catalogodasartes.com.br/Lista_Obras_Biografia_Artista.asp?idArtista=7938

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

mudanças



Os fios que se penduram hoje 

são os  f i o s  

que penetram em pedras e cimento 

e puxam o longe para o perto 


e ligam pobres mortais para infinitas conversas... 


                                             "sinto falta dos tênis velhos

                                                   
                                                pendurados 

                                  nos fios de energia"...





domingo, 24 de abril de 2016

De bonecas, cheiros e saudades




Elas iam em uma caixa de madeira cheiinha de coco, manga, colares de catolé (ainda sinto o cheiro), camisolas de algodão, doce de buriti, rapadura, cajuzinho tudo bem embrulhado por vovô e vovó. Saíam de Juazeiro do Norte (CE) direto para a Vila Ré (SP). Iam por uma transportadora e geralmente chegavam perto do Natal..para nosso fim de ano ficar gostoso...quando não iam com os próprios familiares, tia Rose e tia Elzenir, tio Assis e tia Célia foram portadores dessas encomendas para Almeri Sobreira...As bonecas e seus vestidos coloridos.As bonecas e seu cheiro de algodão cru...As bonecas que ficavam sentadas assistindo as aulas. Alunas de nossa escola imaginária.Uma porta verde era a lousa.Todas obedientes e comportadas!




* foto Restaurante Mangai/João Pessoa - Arquivo pessoal 


segunda-feira, 18 de abril de 2016

Impressão xilográfica


Não posso acariciar tua pele

Minhas unhas estão sujas de areia e terra

Queria mesmo arranhar teus braços,

Deixar minhas marcas em tuas costas

Tatuando minha sina em teu corpo

Tu dormes esquecida do mundo

Nem lembras que lá fora já lavrei e semeei 

por meses sem fim



Araceli Sobreira