segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Mulher pós prova do ENEM 2015 – quem tem medo?

Cena I
cá estou eu pensando nessa rua cheinha de poeira
enquanto madame ainda não levantou
ainda dá tempo de coar café e espiar o porteiro da esquina

Cena II
a menina colou o ano inteiro e nunca leu nada sobre o tal feminismo, Friedrich Nietzsche,  Paulo Freire, só queria balada, acontecer, virar vodka com qualquer coisa que a deixasse animada....

Cena última

cá está a mulher que passou a juventude irritada com as receitas e as panelas
lia Beauvoir , Sartre, Ricoeur, Foucault  e Barthes
um dia sacudira as panelas nas praças com as mães de luto
outro dia, lutara contra as correntes, os tapas, os porões, as máquinas,
mas não cozinhava nem lavava
o homem ao lado só comia: a comida, regada ao vinho francês e a mulher, das pernas grossas.

No dia da prova, a pia cheia, era coisa de mulher, para mulher.
A mágoa reinava na alma ferida.
Três dias para dar conta de tanta louça.
Nem Simone nem ninguém.
Nem os filhos nem o marido iriam lavar as tralhas da cozinha.
Tinha que ser ela mesma, com leitura, feminismo, lágrimas,
raiva, rancor, mãos suaves, porém, para deixar sua casa arrumada, do jeito só dela, para ir além da vida, começar novamente a comer, ser comida, dar de comer, por a comida na boca dessa gente toda do mundo que tanto precisa de vida!

Grand Finale

Nesse mundo onde as moscas mortas metamorfoseadas em homens  laboratórios e baratas verdes dólar fumegantes faltam mãos e panos para enxugar as louças velhas daqueles armários recém comprados nas grandes lojas numa promoção a perder de vista!



                                                      * * *




Imagem: http://sensacionalista.uol.com.br/2015/10/26/enem-conheca-o-drama-de-quem-nao-tinha-google-para-ver-quem-e-simone-de-beauvoir/


8 comentários:

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Durma-se, com um "nonsense" desses!
Muito boa, a sua esquete , merece ser representada em escolas,
para ser debatida com a "juventude ENEM"...Um VIVA! à mulher (e ao homem,também!!).
Um abraço!

MARILENE disse...

E tudo vai continuar igual!!
Apareça sempre. É um prazer. Bjs.

Valeska Menezes disse...

Adorei! Vou mandar pra Luana... Não sei pra quem sobrou os pratos, só não foi pra mim! ;)

Valeska Menezes disse...

Adorei! Vou mandar pra Luana... Não sei pra quem sobrou os pratos, só não foi pra mim! ;)

Eloíza disse...

Esse tal "produto" MULHER tão contraditório, tão necessário e tão belo! Da longa discussão pós-ENEM tira-se valiosos ensinamentos e belos poemas, como o seu! Parabéns, querida Araceli, pela louca lucidez.

Ana Santana Souza disse...

Parabéns pelo belo texto, bjs

A R Gurgel disse...

Na sociedade das "Casas Grandes&Senzalas" propor uma discussão sobre "quem vai lavar a louça" àquelas que nunca entraram na cozinha é algo inconcebível. Como assim, falar de violência contra mulher fora dos muros construídos de silêncios? Como fazer sangrar esta chaga social diante de milhares de jovens que nunca leram "aquela cadela francesa" como disseram alguns "pensadores" em suas redes sociais? Qual a necessidade de discutir sobra as "lapadas" que alguns machos dão em suas fêmeas? Isso é problema delas. Parabéns Araceli pela brilhante reflexão. Sempre urgente e necessário discutir o tema. Abraços

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
http://peregrinoeservoantoniobatalha.blogspot.pt/