quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

insone



na taça, mergulhada estou.
nada passa
nessa madrugada que chegou.

insone, desamparada
permaneço no ar...

a noite vai - iluminada.
o dia acorda pra me matar.

olhos injetados de um mal que veio pra ficar

2 comentários:

Mulher na Janela disse...

que lindeza de versos tristes, de versos escuros, estranhamente enluarados.

beijos poéticos...

Bosco Sobreira disse...

Muito obrigado pela visita e pelo generoso comentário. Certamente somos parentes, uma vez que a família sobreira é muito pequena.
Obrigado, mais uma vez, por ter me proporcionado conhecer a qualidade de seu trabalho, o que já fiz, em parte, lendo as postagens mais recentes. Voltarei para novas leituras.
Um abraço
PS. "Araceli" é o nome de uma prima de minha mãe. Por não ser comum esse nome, reforça a idéia de parentesco.
(Não estou conseguindo enviar o cometário com o endereço que utilizo agora:http://blog.boscosobreira.com
Vou tentar com o antigo, desativado.