sexta-feira, 12 de junho de 2009

Rédeas - Afinal é dia dos namorados!


Amor indócil este meu,
nasce como água de fonte:
corrente livre,
alargando margens, caminhos, regatos antes secos...

segue em frente, sem barreiras
ignorando paisagens, pontes, travessias.

mas esbarra em teus olhos castanhos... quietos, arredios.

foges para teu mundo isolado...
desconfiando dos meus sonhos, dos meus dons, do meu caminho...

também esbarro nos teus olhos...sou inflexível em meu amor sem amarras.

registro em mim teu medo, tua história
e nem sei dos rastros que já deixastes em minha estrada.

teus modos insinuam tua dor, tua ânsia.
e queria (quantas vezes pudesse) abraçar-te, alcançar-te em alma, sonhos.

abrir uma porteira entre meu mundo e tuas paredes.

Às vezes, de leve, de mansinho,
seguro tua mão forte... também seguras meus olhos úmidos, meu amor em cavalgada,

mas tens de ir: sempre é cedo para um laço,
sempre é tarde para a água que corre livre.

no canto dos teus olhos vejo as marcas, os traços que não queres que eu veja.
Leio almas: as marcas aparecem em plenitude.

meu amor indócil não descansa,
é livre, amplo,
perdido em mil sentidos: só precisa de ti!

6 comentários:

Francisco Sobreira disse...

Cara Araceli,
Chego um pouco atrasado para o dia dos namorados, mas a tempo de encontrar, sobre a data, um poema forte, de bom ritmo, de versos afiados. Um grande abraço.

Pedra do Sertão disse...

Obrigada,

caro amigo Sobreira, se vc soubesse que este poema estava guardado em um caderno...bem escondido em uma caixa que, de vez em quando, abro para ver o que tem lá. Pois bem, os guardados começam a sair por aí.

Abraço,

Doces Deletérios disse...

Estou um bocado atrasada para o dia dos namorados mas mesmo assim venho comentar.
Vi que você escreveu ele já há algum tempo e que estava guardado em um caderno. É muito antigo? Eu não tenho esse costume. Frequentemente me envergonho de ler meus escritos antigos. Acho que sou muito cri cri com as minhas produções. rsrs


Beijocas
www.lizziepohlmann.com

dom disse...

seria interessante escutar o som da água correndo durante a leitura. Pelo menos tive esta impressão forte.

dom disse...

seria interessante escutar o som da água correndo durante a leitura. Pelo menos tive esta impressão forte.

Pedra do Sertão disse...

Olá, pessoal,

obrigada pela visita, pelos comentários. Estou numa fase de "tirar do baú" algumas palavras que estão pedindo ansiosamente para "ganhar o mundo". A ideia de ouvir ao som das águas é bem interessante.

abraços a todos