domingo, 12 de setembro de 2010

maturidade


Raiz de jequitibá,
feito as mãos calejadas de meu pai.

Sombra acolhedora
Amansada pelas mãos longas e finas de minha mãe
Já posso alcançar as entranhas da vida!

3 comentários:

Pedra do Sertão disse...

Caríssimos amigos,

Ajeitando as configurações do blog...apaguei os comentários maravilhosos que recebi para este post! Quase chorei. Infelizmente não encontrei nenhum recurso que desfize o meu erro (grotesco) mesmo! Desculpem-me. Guardo na memória algumas palavras carinhosas que me deram muitas alegrias. Agora aprendi! Prometo não cometer esta indelicadeza de novo. Erros de principiantes...

Igor Barbosa disse...

Poxa e eu tava até agora procurando por onde comentar aqui e num achava...
Boas memórias...em boas mãos...esse é um poemas de se tatear o passado.

Eliana Mora [El] disse...

as 'rendas' rebordam teus versos
em foto divina :
companhia ideal


Obrigada pela visita; amei este poema

El