sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A formiga e a cigarra!


Quisera eu deixar
de ser formiga,
poderia cigana virar,
cair na vida...
Ser só gente,
pensar nuvens, mundo, ser só ponte, fluido
atravessar ruas sem sentido.
Quisera eu ser inocente,
leve, luz radiante,
tempo ausente
ao luar do sertão, fina chuva –
sem nada na mão...
Quisera eu cigana ser,
cantar o dia, viandante,
flutuar na vida, espairecer,
somente feliz amante
a dormir no inverno, tranqüila
tal qual uma menina.

                               Em 05/08/2007. 




                                  *   *   *


Imagem : Pesquisa GOOGLE IMAGENS : http://www.qdivertido.com.br/verconto.php?codigo=9

32 comentários:

Atitude do pensar disse...

Mas assim somos, em alguns instantes. No entanto, nessa caminhada denominada cosntrução, há vezes que nos perdemos...e há momentos em que somos todo esse universo de formigas, cigarras...

Dilmar Gomes disse...

Lindo poema, amiga. Um grande abraço. Tenhas um lindo de semana.

Pedra do Sertão disse...

Olá, Keila e Dilmar,

Tenho medo de viver em função do "tempo é dinheiro!" e perder a noção do poético!

Roderick Verden disse...

Quisera eu também.
Relaxante texto!

Bom final de semana!

Bípede Falante disse...

E de tanto querer o formigueiro ficou para trás, trocou os corredores de por palavras bem musicais :)

Nova Civilização disse...

Olá,

que lindo !

Fiquei encantada,

beijinhos


Gisele

Pedra do Sertão disse...

Olá,meus caros,
Roderick,vi que está pensando em um novo estilo de blog, talvez até para ser menos formiga, quem sabe?

Lelena,essa formiga tem muito o que aprender ainda para ser musical, mas ela chega lá!

Gisele, que bom que esteja encantada! A gente assim se aproxima mais!

Abração,

Maria Antonia disse...

Maravilha de poema. Obrigada. Muita luz, sempre.

lidia-la escriba-www.deloquenosehabla.blogspot.com disse...

hola volví! realmente leer este poema,me ha llegado a mis viceras,precioso post!
muchisimas gracias
un abrazo enorme,
lidia-la escriba

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

"...tal qual uma menina." Quem dera!
Às vezes é possível, alcançar certas
"graças", e voltar a momentos suaves... na força do pensamento, ou sonhar, de quando em vez...

Boa semana
beijos

Macabea de La Mancha disse...

Lindo e sincero poema! Também quero eu ser cigana! Gostei muito do blog! Voltarei!

Pedra do Sertão disse...

Que bom, tantas visitas adoráveis e comentários mais ainda: Maria Antônia, Lídia, Lúcia...e a recém-chegada Macabea! Abraços

Flor da Vida disse...

Amiga, lindo, inspirado e inspirador poema!
Amei demais menina!!!

Amada,
Tua amizade sincera e pura
Ilumina meu céu...
Acorda a aurora, faz minha vida raiar
Leva embora a tempestade
E meu Sol volta a brilhar!

Carinhos mil pra ti, viu?
Beijos
Suelzy

Daniele disse...

Que lindos seus poemas!
Adorei passar por aqui.

PS: Sair da dieta de vez em quando faz a gente ter força pra seguir a diante.

Grande abraço!

Batom e poesias disse...

Vim retribuir a visita delicada e me deparei com um lindo poema.
Gostei muito.

bj
Rossana

valquiria silveira disse...

Quantas vezes estamos tristes, desmotivados, meio perdidos ou até estamos passando por algum período de muito sofrimento. Coisas assim acontecem com todos, mas tenho algo a dizer para você. Não desista.Peça ajuda a Deus para que lhe guie e de sabedoria, porque Ele pode te ajudar quando você estiver triste e desmotivado. Peça a Ele para te dar mais força para você agüentar esse período difícil e para que não desista. Vamos, sei que você consegue. Fale com Ele.Estou em mudança em busca de meus sonhos vou ficar um tempo afastada mas volto logo. Deus abençõe vc bj no coração!

Pedra do Sertão disse...

Flor, Daniele, Rossana e Valquíria, mulheres-poesia que vieram deixar aqui um pouco de sensibilidade e olhar carinhoso para meu falar! Abração nas quatro!

Assis Freitas disse...

há quem cante cigarras a carpir o itinerário das formigas, dupla missão da lira



abraço

Roberta Fonseca Winter. disse...

Suas palavras sempre inspiram e encantam. Abraço de outros sertões:)

Pedra do Sertão disse...

Olá, Assis, olá, Roberta,

Tão bom tê-los aqui no Pedra do Sertão a deixar palavras tão marcantes para nós! Abraço

Poetisa (Helena) disse...

Oi!
Só passando para me desculpar pela escassez de postagens em Agosto no meu blog, o Escrevo para Viver.
É que a faculdade e o trabalho têm tomado todo o meu tempo e ficou complicado postar.
Mas agora estou de volta e vou me esforçar para manter atualizado.
Te convido a dar uma passadinha por lá e ler a primeira postagem deste mês (Na cadeira do juiz): http://escrevoparaviver.blogspot.com/2011/09/na-cadeira-do-juiz.html
Caso puder, deixe seu comentário ^^
Abraços virtuais,
Helena.

Eliana Mora [El] disse...

Ao ser um pouco de cada, até poetas podemos ser....

bela concepção.
beijo, El

Pedra do Sertão disse...

Ai, Helena, eu sei o que é isso! Também dou um duro danado para manter o blog atualizado e merecer os comentários de vocês todos!

Eliana, muito prazer em tê-la novamente por aqui em seu exercício de poeta! Abraços,

Araceli

Aracy Crespo disse...

Olá Araceli, fiquei contente com sua visita ao meu blog, já estou te perseguindo rsrsrs. Adorei tudo que vi aqui no "Pedra do Sertão". É muito gostoso quando nós temos nossos dias de Cigarra....

Um beijo e fica com Deus.

quanto pesa o vento? disse...

quisera...eu...
gostei muito.
abraço.

Sandra Puff disse...

Olá, Amiga Professora!
Vi o seu Blog e achei uma graça com textos incríveis. Já sou seguidora.
Convido você a conhecer Sapatinhos da Dorothy, se gostar me siga também para trocarmos ideias.
Abraço
Sandra

Sapatinhos da Dorothy

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Há tantas coisas
que desejaríamos ser,
cigarra,
cigana,
pássaro,
nuvem...

Penso que esta
é a matéria prima da vida,
desejar,
desejar,
desejar...

Viver é sentir os sonhos
com o coração.

Fred Caju disse...

Já dizia o mestre: A formiga só trabalha porque não sabe cantar.

Eloí Bocheco disse...

Muito lindo seu poema! Uma bela "receita literária" para tornarmos nossos dias menos duros e pesados. Ser formiga e cigarra equilibradamente faz muito bem. Abração

Esoj.Otrebor disse...

Um belo poema Araceli, ser formiga ou cigarra: eis a questão! mais que tal virar cigana, contemplara a natureza e viver com o seu ser poetisa no eterno aprendizado da vida. Parabéns, lindo vercejar.

Iara Maria Carvalho disse...

um poema muito muito doce, bom demais de cantar!

beijos!

Janice Adja disse...

Já fui formiga , hoje agradeço por ser cigarra.