quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Indo para casa



Naquela tarde, tive que subir a enorme ponte que separava os bairros principais da cidade. Havia lavado roupa a tarde inteira. As mãos permaneciam brancas, sem viço algum. O sabão comia a pele já ressecada de anos de tanque. O rio estava marrom. A chuva de toda tarde misturou restos de lixo, gravetos, troncos, folhas e uma imundice que não cabia no juízo de pessoas sensatas.
Amanhã, é dia de ir para dona Lúcia. Gente que não sabe o que quer! Uma hora troca tudo, noutra hora, não tem nada para lavar! Bom para mim, só assim, polpo minhas mãos! Tinha medo de cair daquela altura, só andava apoiada no cimento frio. Tentava sempre olhar para frente, para os carros acelerados e sem rostos que passavam por mim. Às vezes, ainda conseguia enxergar um rosto triste ou um jovem dormindo com a cara grudada no vidro dos ônibus que se juntavam antes de passar para o outro lado. Sempre mandava os olhos para algum lugar distante, nunca para a água imunda que descia pela cidade. Brutalmente, naquele dia, mirei as águas sombrias.  Tinha uns cinquenta metros entre a ponte  e o meu barraco, quando vi a mão presa nos troços do rio.  Não tinha ninguém naquela hora e respirei fundo tentando pensar como alguém poderia se jogar num rio sujo como aqueles. Era mesmo o fim do fim, morrer na mais pura lama!
   







Imagem: Pesquisa Google: http://ajornadadaalma-estudosjunguianos.blogspot.com.br/2010/09/pontes-na-pintura.html

8 comentários:

MARILENE disse...

Um texto forte e belo. A luta diária e a observação dos caminhos. Bjs.

Pedra do Sertão disse...

Marilene...e que luta diária!

Obrigada pela visita, sempre ficamos felizes.

Abraço

Manuela Errera disse...

Araceli, obrigada pela visita!
E bem como você se sentiu no Devida Concordância, eu tô em casa no seu blog. Até passei um café fora de hora para fugir da rotina e deleitar-me de boas palavras, aliás, que boa palavras!
Sucesso pra você!
Um abraço.

(www.devidaconcordancia.blogspot.com.br)

Manuela Errera disse...

Araceli, obrigada pela visita!
E bem como você se sentiu no Devida Concordância, eu tô em casa no seu blog. Até passei um café fora de hora para fugir da rotina e deleitar-me de boas palavras, aliás, que boa palavras!
Sucesso pra você!
Um abraço.

(www.devidaconcordancia.blogspot.com.br)

Luma Rosa disse...

Oi, Araceli!
Foi como ver um filme ler a sua crônica.
Que vida judiada!!
Bom fim de semana!!
Beijus,

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga.

Meu desejo para os que habitam
o meu coração,
é um mergulho no tempo,
onde cada dia,
é um dia de ano novo,
e cada sonho,
uma senha a ser descoberta,
nesta caminhada rumo a alegria.

Muito obrigado por sua amizade.
Que sejamos e façamos felizes a cada dia.

ALUÍSIO CAVALCANTE JR.

Malu Silva disse...

Um FELIZ ANO NOVO, repleto de grandes realizações. Muita PAZ, SAÚDE e SABEDORIA!!!
Um abraço!!!

Pedra do Sertão disse...

Olá, grandes amigos,

Feliz 2014 a todos!!!