domingo, 14 de dezembro de 2014

A Frida que me causa dor

A saia longa escondia a perna torta da mulher que pintava
 a dor de si ...
Amarelo luz para o sangue da vida
Vermelho ardente para jornada dos pés que não se moviam
Azul dureza das paredes nuas que não abriam para o ar
O marrom velho da pele antiga
chega a doer no toque leve
dos dedos rígidos.
Um preto de olhos, de pelos, de cruzes
Armam os registros
Coloridos, insanos, transbordando
Humanas carícias mexicanas
Na cama ardente.
As costas nuas, coisa simples, osso apenas,
Insiste em moer por dentro,
Pelos ossos, pela emoção que se arrebenta em peitos
Vazados sem leite...
Ai, Frida! Ai, Frida, como não sair dura
De suas passagens, travessias, sonhos – ferramentas
enterradas  nos mil rostos iguais que tantos

traços misturam e congelam em molduras?

Em 15 de fevereiro de 2014....




Imagem retirada de : http://www.zupi.com.br/exposicao-de-fotografias-de-frida-kahlo-vem-ao-brasil/


*  *   *

6 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Eis um poema denso e consistente. Um abraço daqui do sul do Brasil. Tenhas uma linda semana

www.pedradosertao.blogspot.com.br disse...

Dilmar, obrigada pela visita e pela percepção...

Abraço,

Araceli

MARILENE disse...

Uma dor muito bem descrita. Abraço.

Marilu disse...

Um momento doce e cheio de significado para as nossas vidas. É tempo de repensar valores, de ponderar sobre a vida e tudo que a cerca. É momento de deixar nascer essa criança pura, inocente e cheia de esperança que mora dentro de nossos corações. É sempre tempo de contemplar aquele menino pobre, que nasceu numa manjedoura, para nos fazer entender que o ser humano vale por aquilo que é e faz, e nunca por aquilo que possui. Noite cristã, onde a alegria invade nossos corações trazendo a paz e a harmonia.
Desejo a você e a todos aqueles a quem mais ama um Feliz e abençoado Natal. Beijokas

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Desejo para ti
braços bem abertos
para receber com carinho
o ano que se aproxima.
Ele traz um presente:
- Uma vontade de que olhes
para alguém ou para alguma coisa,
com olhos de primeira vez.
Recebendo este presente,
as sementes de alegria que te habitam,
estarão recebendo seu melhor alimento,
e assim se transformarão em realidade,
perfumando sua vida e sua alma
com sua maravilhosa, única e infinita
essência de felicidade.

Um ano novo de olhares novos para ti.

Aluísio Cavalcante Jr.

Luma Rosa disse...

Oi, Araceli!
Apesar da dor, uma mulher colorida!
Feliz 2015!!
Beijus,