sábado, 19 de maio de 2012

Por que o instinto é cego?




Ninguém ensina
                     o caminho
                                   do mar
                                             para as tartarugas.
                                                                      Elas saem de seus buracos
                                                                                           agitando as nadadeiras
                                                                                               e chegam  direto
                                                                                                   sob a espuma.
                                                                                                                     sem escola
                                                                                                                     sem instrução
                                                                                                                     nem elogios.
                                                                                                        E tão logo caem n'água
                                                                                                        Fazem com excelência
                                                                                                        O que têm de fazer:
                                                                                                                                 viver uma longa
                                                                                                                                                    v  i  d  a .
                                                                                                                                                           

       
                                                      *   *  *





                                 

Imagem: http://jennyytavares.blogspot.com.br/                                                                                                                     
                                                                                                                   

14 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Lindo poema, menina. Quase um acalanto! Gostei muito.
Um abraço. Tenhas um lindo fim de semana.

Fred Caju disse...

Viver não precisa de manual de instrução.

Fiaris disse...

Buen escrito.
saludos

Roderick Verden disse...

Muito bonito, e lento como sou, adoro uma tartaruga.rs

O instinto é cego, e como, se ele não fosse cego, o suicídio seria geral.

O instinto é cego, teimoso... e, no final, se chegamos a uma idade longa, aí sim, pagamos o preço, bem caro por sinal, por termos ficado à mercê dele, o instinto.

Pedra do Sertão disse...

Fico a me perguntar, amigos-leitores, sobre o papel do instinto na educação das crianças-tartarugas...tantos anos investidos e tão pouco se olha para os instintos infantis.

Abração

Arnoldo Pimentel disse...

Seu poema é muito bom, original e o instinto é a natureza que tanto deixamos de lado.Beijos

Jania Souza disse...

Belíssimo poema como a dama que o pariu com tamanha ternura. Muito obrigada com meu eterno carinho. Jania

Cristina Sá literaturainfantilejuvenil disse...

Araceli,
Seus versos exaltam a beleza da
natureza e a imagem (belíssima)
confirma este deslumbramento.
um bj
Cristina Sá do blog
http://cristinasaliteraturainfantile
juvenil.blogspot.com

Pedra do Sertão disse...

Arnoldo, Jania e Cristina,

Tão bom ter o olhar de vocês para meus textos...

Abração

Assis Freitas disse...

o caminho é o que se oferece à vista,



abraço

Anabela Jardim disse...

Gostei da rapidez de sua mensagem poética. Vida longa por instinto e porque viver é bom demais!

dinis mota disse...

Obrigado pela tua visita, e pelas calorosas palavras. São tão belas como aquelas que encontro no teu blog.

Serás sempre bem-vinda.

Um abraço de Lisboa :)))))))

Eurico disse...

Belas lições, minha amiga!

Deixo um abraço fraterno.

Rebecca Leão disse...

Querida, amei. Mas, confesso, pensei num verso final
"... aquelas que sobrevivem".
Ah, acho que ando lendo coisas duras demais...
Beijo no coração e parabéns!
Rebecca